Blog

Buscar
  • Tati K. Presch Oscalis

Todos sabemos que uma pessoa experiente pode prever e prevenir muitos erros, mas eu mesmo depois de quase 20 anos de experiencia em administração e produção, sendo quase 10 deles a frente da Tekart’s as vezes não acredito muito no meu potencial.

Hoje estava fazendo amostras para um cliente novo, que falou que não saberia a quantidade inicial de produção, nem me falou se teria mais de uma produção.

Bom primeiro fui pesquisar e descobri que apesar que eu nunca tinha ouvido falar daquela empresa era uma empresa média, que vende principalmente para a sua própria região (que é diferente da minha que estou na bolha de São Paulo).

Na conversa sobre o produto falaram em uma produção de aproximadamente 3000 unidades. O que da por volta de 1000 metros de fita, quantidade que normalmente tem da maioria das fitas, mesmo as importadas. Considerando isso já fui procurar as fitas perguntando os estoques dos fornecedores. Encontrei algumas possibilidades importadas, já que esta tem um preço melhor.

Depois da produção das primeiras amostras, esta quantidade mudou para 15.000 unidades, o que precisa de somente 5000 metros de fitas, quantidade que os importadores podem até ter agora em estoque, porem, será que daqui a um ano também terão esta cor e modelo?

Dai que vem a experiência

Não pensem que não passamos mais por problemas, mas agora eles mudaram um pouco, e sempre encaro um problema como um novo desfio a ser resolvido. Alguma vez eu já escrevi que amo meu trabalho? Rs... falando, vamos procurar as fitas nacionais, são um pouco mais caras porem tem a garantida de continuidade. E temos a certeza que se precisarmos de uma grande quantidade é possível esperando somente um mês.

E como aprendemos isso? Claro que acontecendo, tinha um cliente que era distribuidor, e sempre comprava uma fita de veludo com a cor especifica que vendia muito bem. Depois de quase um ano vendendo este produto veio a falta daquela fita importada, procuramos em todos os outros fornecedores de fita de veludo, e descobrimos que não tinha nenhuma cor nem parecida, isso nem vou falar da qualidade, e passei por mais de 8 meses esperando a fita chegar, porem como somente aquela cor tinha terminado o fornecedor não pedia mais e acabamos não produzindo mais aqueles laços. Neste caso era um distribuidor, que não tinha aquele acabamento vinculado com um produto especifico, porem se fosse uma indústria de cosméticos que tivesse seu perfume já registrado com aquele acabamento, com a cor coordenada com o rotulo ou embalagens, com fotos em vários meios de divulgação e tivesse que trocar esta fita seria uma dor de cabeça e um baita gasto para refazer tudo novamente.

Mas quando eu estou fazendo as amostras e me vem o “click” de faze o calculo de quanto vamos precisar de fita e que esta quantidade não vamos ter nos distribuidores e que temos que ver como atender o cliente com continuidade e sem problemas de falta de matéria prima, nem eu acredito muito e ainda fico impressionada com a minha própria experiência e premunição de problemas futuros.

Não pensem que não passamos mais por problemas, mas agora eles mudaram um pouco, e sempre encaro um problema como um novo desfio a ser resolvido. Alguma vez eu já escrevi que amo meu trabalho? Rs...

0 visualização0 comentário
  • Tati K. Presch Oscalis

Continuando um pouco da história que contei , a Tekart's mais do que uma reestruturação financeira passou por uma reestruturação do seu produtos, e dai muitos devem se perguntar como se reestrutura ou se reinventa um laço?

E ai começa a magia da criação!

Como sem modificar o visual do nosso acabamento de decoração poderiamos fazer estes acabamentos mesmo antes do produto (sabonete, home spray, aromatizador, etc) estar envazado ou produzido?

Nesta pergunta que passei horas e horas pensando, eis que de onde eu menos esperava veio a resposta, um elástico de cabelo com algum enfeite me chamou atenção e me mostrou que a decoração pode ser colocada com um elástico e não precisamos fazer diretamente no frasco.

A teoria foi linda, mas como um acabamento que tem três voltas de cordão no gargalo, e uma fita poderia ser produzido sem ser no proprio frasco?

Primeiro varias tentativas, depois uma pesquisa para descobrir que igual ao cordão tinha um elastico, depois um pouco de nós escoteiros e eis que o acabamento poderia ser feito e depois colocado no frasco.

Coisa de genio? Não, pensamento de quem observa o mundo e consegue ir alem do problema e ve a solução.

Foi facil? Não nem um pouco, lembro de ficar horas olhando aquele frasco decorado, e fazer e refazer aquele acabamento tentando enxergar alem do que eu estava vendo.

Também precisei usar algo que estava a alguns anos esquecido ali, os nós escoteiros que eu já não usava a uns 10 anos.

O que consigo concluir hoje, 8 anos depois que tudo isso aconteceu, que nada que aprendemos é inutil ou desnecessario, e sem duvidas minha formação, de escoteira, professora, marketeira, trabalhos no MC Doanlds, pos em Engenharia de Produção entre outras me levaram a desenvolver os mais diversos acabamentos de decoração e ver uma solução de negocio onde muitos veem problemas ou gargalos.

A Tekart's faz o gargalo de produção virar diferencial de venda sem atrasar a entrega ou virar uma bola de neve na ultima etapa de produção.

0 visualização0 comentário
  • Tati K. Presch Oscalis

Será que realmente estoque é algo que ficou no passado?

Hoje muito se fala no Just-in-time (que significa “momento certo”, é um sistema com objetivo de produzir a quantidade exata de um produto, de acordo com a demanda, de forma rápida e sem a necessidade da formação de estoques, fazendo com que o produto chegue a seu destino no tempo certo, por isso carrega o nome de Just in Time. -retirado do site https://www.sankhya.com.br/blog/o-que-e-just-in-time/#:~:text=O%20Just%20in%20Time%2C%20que,nome%20de%20Just%20in%20Time.)

Porem muitas vezes, nós empresas pequenas sofremos com esta ideia de ter tudo na hora que precisamos e queremos.

Nó não temos o poder de compra de uma grande empresa como Natura ou Nestle.

Mas quando estudei, durante toda a faculdade de Marketing e mestrado em Administração e Engenharia de Produção e mesmo na pôs graduação de Marketing, sempre usam o Just in time como sempre o melhor para as empresas, assim não precisamos, gastar comprando um produto que ficará parado no estoque ou gastar pagando um lugar para armazenar algo que não precisamos naquele exato momento. E todos os exemplos são lindo, os vidrinhos de papinha que chegam no dia da produção e tem sempre o suficiente para a produção daquela semana, ou mesmo produtos que chegam diariamente e vão diretamente para a produção.

Lembro até de fazer uma dinâmica com pratinhos de doces, onde bem coordenados os produtos chegavam no momento da produção, tinha até uma gaveta com dois lados, um que chega o produto e o outro onde este produto já entra em uso.

Mas e nós pequenos, como conseguir aplicar o just in time, sem pagar um monte de frete ou mesmo poder aproveitar os preços para compra no atacado?

Será que é possível?

Se alguém falar que sim, por favor me conte como, pois nós já pensamos um monte e o que conseguimos foi um misto entre o just in time e o sistema inteligente de estoque.

E o como funciona? Funciona equilibrando os custos de deixar algo em estoque, com o risco de perda, no caso da Tekart’s que faz produtos exclusivos, e pagar fretes. Também entra nesta equação o valor de se comprar uma quantidade maior de uma vez só ou de se comprar no varejo.

Para este sistema funcionar, também fazemos acordos comerciais com os nosso clientes, temos em estoque um numero x para produzir o produto deles e eles tem a obrigação de nós avisar quando o produto sairá de linha, tendo a obrigação de comprar estes x produtos no ultimo lote antes de para de comprar.

Também para resolver este problema temos acordos com alguns fornecedores, como compro várias vezes por ano do mesmo fornecedor acabo conseguindo comprar abaixo do mínimo e pego as fitas nas fabricas ou em algum lugar que eles já farão entregas para outras empresas, assim acabo não pagando o frete.

Já com outro fornecedor consigo um valor de atacado por comprar muito no varejo, e sempre deste fornecedor, logo ele entende que eu durante um período acabo comprando bastante.

Porem tem fornecedores que acabo não comprando pelo pedido mínimo ser muito alto, ou o frete ser muito caro. O que inviabiliza o financeiro da empresa, pois teríamos um produto parado por quase um ano ou mais.

E tudo isso é também conversado com o cliente, que as vezes decide ter um preço melhor e ele fazer o estoque do produto, ou ter um preço um pouco mais alto para também não precisar gastar com estoque.

Sim, estoque é dinheiro parado... e sabendo disso será que vale deixar este dinheiro em cima da mesa, será que economizei comprando antes e pagando mais barato ou este dinheiro estaria rendendo mais girando?

Equação bem complicada e de verdade sem uma resposta única certa!


0 visualização0 comentário