Buscar
  • Tati K. Presch Oscalis

Um erro necessário...

Difícil pensar que errar é bom, mas sabemos que errar é no mínimo necessário para aprender e melhorar. E com a Tekart's não foi diferente, posso falar que já erramos muito, e ainda vamos errar mais um pouco, mas sem dúvidas hoje conto para vocês o nosso maior erro, mais de 100 mil lacinhos com defeito no elástico, era a produção de mais de um mês para aquele cliente.

Bom vou começar a história do começo...

Um cliente que tinha uma linha de esmaltes e já colocava lacinhos em seus produtos procurou a Tekart's pois o seu fornecedor atual não estava entregando um serviço satisfatório, atrasando pedidos e criando complicações com as mudanças de planejamento na produção.

Eles precisariam em média de 70 mil lacinhos pretos por mês, ou seja, 15 meninas (ou meninos) produzindo lacinhos 40 horas por semana. Uma loucura que decidi aceitar.

Achar a fita foi simples, afinal fita de cetim preta nesta quantidade não é um problema no mercado... mas os elástico sim, rodamos a vinte e cinco e outros lugares e nenhum fornecedor poderia garantir esta quantidade ao longo do tempo, elásticos importados da China podem chegar hoje e depois vir somente daqui a um ano. E se venderem muito o estoque termina e não tem muito o que fazer a não ser esperar chegar uma nova remessa que pode demorar mais de 6 meses.

Tínhamos que ter um fornecedor nacional, eis que depois de muito procurar e pensar descobrimos os elásticos ortodônticos, aqueles usados por dentistas.

Compramos alguns modelos, e tamanhos - nunca poderia imaginar que um simples elástico poderia ter tantas especificações. Testamos dois materiais: látex (aquele amarelo) e o non-látex (transparente, lindo).

Durante um mês, andamos com as amostras no carro, em casa em cima da mesa, na bolsa e em outros lugares.

Descobrimos que o elástico de látex não poderia ser usado pois com o tempo resseca e vira farelo, principalmente com o calor do carro. Mas o non-látex ficou ótimo.

E começamos a produção em março, tudo corria perfeitamente até que em outubro o cliente veio conversar com a Tekart's que alguns elásticos simplesmente estavam estourados, mas para a quantidade produzida não era uma porcentagem significativa.

Já ficamos preocupadas pois 1000 elásticos podem não ser uma porcentagem significativa, mas são muitos....

No mês seguinte veio a bomba - os elásticos de um lote inteiro que foi para o Nordeste estouraram e tinham que ser trocados.

Primeiro bateu o desespero, depois aquela sensação de que apesar de ter feito o meu melhor o resultado não tinha ficado satisfatório e mais um monte de coisas ruins que podem passar pelas nossas cabeças em um momento assim.

A vontade que eu tinha? De virar um avestruz e poder esconder a minha cabeça no primeiro buraco que aparecesse.

O que fizemos? Sem nem calcular custos ou possibilidades, garantimos a troca de todos aqueles lacinhos e mais qualquer lacinho que estivesse em estoque.

Mas para isso precisamos primeiro resolver o problema do elástico.

Primeiro liguei na fábrica, depois de conversar com muitas pessoas e departamentos consegui falar com o engenheiro responsável pelo desenvolvimento dos elásticos. (Lembrando que nós compramos os elásticos por um distribuidor e por isso nunca tinha entrado em contato com a indústria responsável pela produção dos mesmos).

Depois de uma longa conversa explicando que nós usávamos aqueles elásticos com gostinho de menta para colocar lacinhos em esmaltes, descubro o motivo do meu maior prejuízo... a falta de umidade.

Quando os elásticos non-látex estão na boca de qualquer pessoa ele está em um ambiente úmido e isso "hidrata" o elástico e o torna resistente. Mas quando ele está em um caminhão indo em direção ao nordeste com altas temperaturas ou no ar-condicionado o ar é extremamente seco, o que retira a umidade do ar e por consequência a do elástico que perde sua resistência e quebra.

Bom descobrimos o porquê do problema, mas e a solução? Na verdade, veio do mesmo engenheiro, usem elásticos de silicone, que apesar de um pouco mais caros são resistentes ao ar seco e temperaturas mais elevadas.

Mas desta vez nós tínhamos aprendido, vamos mandar para testes em laboratório - ainda bem que tenho um irmão engenheiro químico, que fez todos os testes em estufa e estudos que precisávamos para garantir a qualidade de nosso produto.

100 Mil novos laços foram produzidos com o novo elástico e entregues em menos de um mês. Cliente satisfeito e feliz com a nossa solução.

E a Tekart's o que levou disso tudo?

1. Aprendemos que testar e muito é importante, nunca imaginamos que um elástico poderia quase colocar a Tekart's e baixo. As vezes não pensamos que o Brasil tem vários climas e mesmo o produto pode ser exportado e que isso pode afetar os nossos produtos

2. Descobrimos que temos a capacidade de dobrar a nossa produção, isso é tema para um post inteiro.

3.Criamos a confiança que a Tekart's hoje pode atender pedidos de 10 a mais de 1 milhão de unidades por mês, aprendemos a dimensionar e organizar o nosso trabalho.

Depois desse "erro pequeno" somos mais forte e sem dúvidas muito melhores.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quando a experiência vai te salvando de novos erros

Todos sabemos que uma pessoa experiente pode prever e prevenir muitos erros, mas eu mesmo depois de quase 20 anos de experiencia em administração e produção, sendo quase 10 deles a frente da Tekart’s

Nem só de mudanças financeiras a empresa precisa

Continuando um pouco da história que contei , a Tekart's mais do que uma reestruturação financeira passou por uma reestruturação do seu produtos, e dai muitos devem se perguntar como se reestrutura ou

Estoque é coisa do passado???

Será que realmente estoque é algo que ficou no passado? Hoje muito se fala no Just-in-time (que significa “momento certo”, é um sistema com objetivo de produzir a quantidade exata de um produto, de ac

Whatsapp: +55(11) 990-036-180

Telefones para contato:

+55(11) 981-339-749

+55(11) 982-542-122

  • Facebook - círculo cinza
  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Google+ - círculo cinza
  • LinkedIn - círculo cinza